Os Espacialistas no Teatro

A ESPESSURA DA VISÃO
OS ESPACIALISTAS | PORTUGAL
INSTALAÇÃO / INSTALLATION
7 A 11 DEZ / DEC | 18h às 00h / 6 p.m. – midnight
ESPAÇOS ALTERNATIVOS / ALTERNATIVE SPACES *
PERFORMANCE
7 DEZ / DEC |  21h00 / 9 p.m.
ESPAÇOS ALTERNATIVOS / ALTERNATIVE SPACES *
*1º e 2º balcão da sala principal / 1st and 2nd balcony of the main room

.Um teatro do ponto vista arquitectónico é por natureza mais que um espaço de representação é também um dispositivo da visão e de intensificação imaginária de todos os sentidos humanos. É o lugar por excelência da construção e da troca de toda a espécie de olhares.
Consciencializar de que modo o acto de ver se constitui antes de tudo como circunstância espacial com qualidades físicas e atmosferas próprias; consciencializar os níveis de espessura material do olhar e perceber como o espaço lhe pode equivaler; pensar o olhar privado através da construção de um grande e precário dispositivo da visão colectivo são os objectivos da intervenção espacialista a construir na zona dos camarotes do Teatro Municipal São Luiz.
Os espacialistas propõem-se intensificar este tipo de olhar através da construção de uma grande cortina “em ouro”, tornada numa máscara habitada, capaz de unificar toda a faixa central de camarotes e acentuar a atmosfera dourada da grande sala do teatro.
Esta grande máscara dourada será acedida a partir de cada camarote por um pequeno e estreito corredor, que ligará a porta que lhe dá acesso a um pequeno orifício, que permitirá ao seu utilizador espreitar para o interior do teatro sem ser visto e consciencializar a espessura de uma máscara e a profundidade (espacial) do acto de ver enquanto a habita.
From an architectural point of view, a theatre is by nature more than an acting space, it is a vision device which imaginarily intensifies all human senses. It is a scenery of all sorts of looks exchange and configuration. We propose to endure the consciousness on how perception is above all a spatial circumstance that has its own physical qualities and ambiences, bring to conscience the thickness levels of look and understand how space relates to these. The goal of our spacialist intervention at São Luiz Teatro Municipal theatre boxes of is to think the individual look through the construction of a great and precarious collective vision device. This sort of look is intensified by the erection of a great “gold” curtain turned to be as inhabited mask that unifies all the central boxes area, accentuating the golden atmosphere of the theatre hall.  The golden mask will be accessed from each box through a narrow corridor, that links its door to a small hole from which the user is allowed to pick into the theatre interior without being seen and this way, while inhabiting it, comprehend the thickness of a mask and the looking act (spatial) profundity.
.FICHA ARTÍSTICA / Cast
Os Espacialistas : Luís Maria Baptista, João Cerdeira, Diogo Castro Guimarães, e Sérgio Serol
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

OS ESPACIALISTAS

Luís Maria Baptista // João Cerdeira // Diogo Castro Guimarães // Sérgio Perol
http://www.espacialistas.com

OS ESPACIALISTAS é um projecto arquitectónico / artístico de análise laboratorial e alteração da função dos espaços que nasceu do encontro académico entre o Luís, o João, o Filipe e o Sérgio. São Espacialistas, protegidos por uma entidade imaginária que denominaram de Nossa Senhora do Espaço, que teimosamente insiste em aparecer no decurso dos processos de manipulação do espaço que levam a cabo, e vêem as suas acções reguladas pelo manifesto Diário do Espacialista. A fotografia e o vídeo são tomados como instrumentos de concepção, pensamento, percepção e diagnóstico do espaço natural e construído. A partir da realização de um conjunto de exercícios de espaço que denominam de ginástico/conceptuais, as re/acções espacialistas pretendem:
. Fazer aparecer a vocação artística do espaço.
. Dar aparência ao aparelho reprodutor artístico latente no corpo humano.
. Proceder à reabilitação artística do espaço, do corpo e da vida, através da manipulação lúdica e
conceptual dos sítios por onde passam.
. Apresentar propostas (imaginárias) de projecto, arquitectónicas / artísticas de alteração programática, para os sítios de passagem.
Servem-se da máquina fotográfica como se de um lápis se tratasse, resultando no que denominam de “esquissos fotográficos”. Estes são criados a partir da análise, composição, manipulação, alteração programática e registo das situações / especificidades naturais e construídas dos espaços por onde passam, bem como dos elementos materiais e objectuais aí encontrados e dos conteúdos do “Kit Espacialista Por/táctil” que transportam consigo.
Luís, João, Diogo, and Sérgio are espacialistas (spacialists), protected by an imaginary entity called Holy Mother of Space, who stubbornly insists on appearing during the processes of space manipulation they carry on.
Os Espacialistas (The Spatialists) is an architectural / artistic project of laboratorial analysis and alteration of function of spaces that rose from the academic encounter between Filipe, João, Luís and Sérgio. They use photography and video as an instrument of design, thought, perception and diagnosis of the natural and built space.
From several spatial exercises that they denominate as conceptual gym, the spatial (re)actions endeavour: to make appear the artistic vocation of the space;to acknowledge the artistic reproductive system of the human body; an artistic rehabilitation of space, body and life from the cultural and entertaining appropriation/reformulation of institutional situations of controlling space and interdiction of the body such as: family home, school / gymnasium, the factory, the barracks, the prison, the convent and the clinic and to present imaginary project proposals being architectural / artistic of alteration of the functional program for the intervention spaces.
They use a photo and video camera like it was a pencil, in order to create results denominated as “Photo Sketches”. These are created from the analysis, the composition, manipulation, the modification of the functional program and the record of natural and constructed situations from the spaces they pass by; from the materials and objects found in these spaces and the contents of the “Kit Espacialista Por/táctil” (Portable/tactile Spatial Kit).

Leave a Reply

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s